1/8

ADAPTAÇÃO, DRAMATURGIA E DIREÇÃO
Antônio Nicodemo

ELENCO
Seu Noronha: Cibele Zuchi
Dona Aracy: Pedro Zaneli
Arlete: Tuane Vieira
Hilda: Conceni Paulina
Aurora: Juliana Orthz
Débora: Flávia Gonçalves
Silene: Thaís Fernandes
Bibelot, O Homem Vestido de Virgem: André Antero
Dr. Portter, O Gringo: Lígia Berber
Dr. Bordalo, O Médico da Família: Michel Galiotto
Dona Matilde, A Vizinha: José Rivaldo
Dr. Barbosa Coutinho, O Espirito de Luz: Conceni Paulina
Os Fantasmas: Agnes Nabiça, Ariane Horan, Bianca Alves, Lua Castro e Nickole Kowaltschuk
Os Sambistas: Cauê Drumond, Denise Linz, Fernandes Junior e Lígia Berber

COMPOSIÇÕES ORIGINAIS
Cauê Drumond 
Denise Lins

PREPARAÇÃO CORPORAL
Lígia Berber

CONCEPÇÃO ESTÉTICA
Antônio Nicodemo 
Thaís Fernandes

CONCEPÇÃO DE MAQUIAGEM
André Antero

CRIAÇÃO ESTÉTICA - FIGURINOS E ADEREÇOS
Thais Fernandes

PRODUÇÃO ESTÉTICA
Thaís Fernandes
Gilson Peres

MÁSCARAS
Flávia Gonçalves

CENÁRIO
Antônio Nicodemo
Danilo Cruz
Gilson Perez

LUZ
Fernandes Junior

PRODUÇÃO
Vinícius Amaral

REGISTRO
Giulia Martins 
Loraine Gomes

ARTE
Raissa Maznik

ASSESSORIA DE IMPRENSA
Gabriela Pasquale

AGRADECIMENTO
AUXÍLIO NA PESQUISA
Leandro De Santana Selva 
Marcelo Poloni
Fabiano Nécro

A ÚLTIMA VIRGEM

2017

Brasil. Fevereiro de 2017.

O País colonizado das Bananas. É Carnaval! Festa do povo. O sexo! A nudez! A MULHER!
Época de uma mágica profana que anuncia os próximos quarenta dias da penitência... Na inversão de valores e da simbologia sincretista, vive a Família Noronha. 
O céu, o inferno e o purgatório da Miscigenação. Seres-Fantásticos-Suburbanos de um cotidiano próximo, terreno e divino.

O pai, ''sábio vidente'' e abitolado na procura de seus próprios deuses, serve cafezinho aos deputados e tem a honra da caçula como altar sagrado e desculpa de sobrevivência.

As irmãs, todas se prostituem para dar à menina um casamento de anjo. Fazer da irmã tudo aquilo que não conseguiram ser. Todo o dinheiro do trabalho vai para o enxoval da Última Virgem da família.

A mãe, gorda e negra se enterra diariamente num cemitério apoteótico de verdadeiras vontades chamado família tradicional.
A prostituição e a exploração sexual da mulher. A invasão da alta sociedade e dos estrangeiros no consumo de um Brasil de calendário e midiaticamente tropical.

A virgindade, o machismo e o fanatismo religioso são temas dessa história de um País que teve sua ''liberdade'' proclamada por um grito.

Seres suburbanos que dão vida ao enredo do próximo samba do Teatro da Neura.
Livremente inspirado na Obra ''Os Sete Gatinhos'' de Nelson Rodrigues e tendo a estética do carnaval como pesquisa, o espetáculo bebe em referências a partir de Joãosinho Trinta, Fernando Pamplona e desfiles icônicos como ''Ratos e Urubus'', ''Os Sete Tronos Divinos dos Orixás'' entre outros do Carnaval do Rio de Janeiro e São Paulo.

VIDEO

Clipping