YERMA

Federico Garcia Lorca

"Algumas coisas

não mudam.

Há coisas

fechadas

dentro de

paredes, que

não podem

mudar

porque

ninguém

as ouve."

Escrita em 1934, a tragédia de Federico Garcia Lorca ganha uma montagem com um olhar realista fantástico na tênue linha de um presságio.

Yerma é o malogro dos desejos que não concretizamos.
Fiel a rotina de uma tradição moralista, a protagonista, refletida também nas fadadas frustrações do próprio autor e de sua Espanha, leva em sua metáfora e ambição a luta contra o próprio tempo onde corpo e desígnio envelhecem: o desejo de um filho acima de todas as felicidades.

A poesia de Lorca e todo o simbólico do seu universo, projetado agora em mais uma montagem do Teatro da Neura, dentro da pesquisa que completa em 2018, oito anos, propõe ao público um deslocamento da realidade, espaço e tempo a partir da frustração de uma mulher.

Yerma é um naufrágio das vontades que não conquistamos.

A luta contra a natureza dos dias.
 
A tristeza dos amores não declarados.
 
A morte ainda em vida de um destino fadado ao fracasso.

Fotos William Ferro

1/12

Fotos Aline Lobo - ensaios

1/5

Ficha Técnica

Direção

Antonio Nicodemo

Ligia Berber

Elenco
André Antero 
Camila Ribeiro 
Conceni Paulina
Lígia Berber
Priscila Nicoliche
Tamíris Terra


Preparação Corporal e 
Direção de Movimento

Lígia Berber 

 

Imprensa

Figurinos

Érika Grizendi

Cenário

Antônio Nicodemo

Lígia Berber 

 

Cenotécnica
Danilo Cruz 
Gilson Peres


Preparação Vocal
Camila Ribeiro

Desenho de Luz
Iaiá Zanatta



 

Operação de Luz

Cibele Zucchi

 

Produção e Operação de música
Cauê Drumond

Maquiagem
André Antero 

Adereços
Elenco

Produção
Michel Galiotto

Ilustrações
Lígia De Marco

Circulação

Estreia

Espaço N de Arte e Cultura

Temporada em setembro de 2018 

no 



 

© 2014 por Fernandes Junior / Instituto N de Arte e Cultura.

  • w-facebook
  • Instagram Limpa